segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Narrativas discentes






Um novo semestre se inicia e com ele o desejo de tornar a disciplina de estágio ainda mais significativa e experiencial para os alunos do VIII semestre de Pedagogia, apesar da vivência de um currículo dicotomizado.
Iniciei o trabalho exibindo um filme que retrata as questões da memória, e pedi a cada aluno presente que retratasse em um retalho de pano uma cena ou contexto marcante na sua itinerância enquanto aluno/ professor. Trabalhar com as memorias possibilita perceber como o individual e o social estão interligados, como as pessoas lidam com as situações instituidas que são apresentadas no seu cotidiano, transformando-o em espaço de luta, de resistência, de criação. As narrativas também nos propicia entender o futuro não como fatalidade, determinismo, mas como resultado de iniciativa e de decisões humanas. As histórias apresentadas por Elian, Fernanda, Geisa, Larissa, Luciene, Naiana, Roseane, Taís e Thiana, mostram que elas não são só magistério. São pessoas que vivenciam seu dia a dia a partir dos contextos sociais de Jequié e região. É na família, na UESB, na Igreja que as mesmas se defrontam com uma estrutura mais ampla. Todos os fios apresentados tem uma dimensão formadora.
Os relatos apontam para a importância dos professores tomarem conhecimento não só do seu entorno, mas também de si mesmas como portadoras de desejos e limitações.

8 comentários:

Larissa Monique disse...

"Tecer memórias... Tecer e destecer, esse eterno movimento de ir-e-vir, a teia da vida..." Começar o semestre, a disciplina nessa busca, fez-me perceber a importância da memória: Lembrar do relevante, descartar o importuno e dar oportunidade para o novo! Esse é o movimento da vida, esse zig-zag de emoções que preenche nossos dias nos dando motivações para ir em frente, parar quando preciso repensar e seguir se um sinal verde for avistado! A aula de hoje permitiu que objetivos fosses revistos para que novos planos fossem tecidos, daí afirmo acreditar que as limitações nos oportunizam conhecer algo em nós que está escondido lá no fundo de uma atitude chamada CORAGEM... A partir daí, gatilhos são disparados para que uma nova criatura surja! E como é bom está encorajado para seguir e conhecer cada nova oportunidade da vida!

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Luciene disse...

"Não faças do amanhã
o sinônimo de nunca,
nem o ontem te seja o mesmo
que nunca mais.
Teus passos ficaram.
Olhes para trás...
mas vá em frente
pois há muitos que precisam
que chegues para poderem seguir-te"
Charlie Chaplin

Essa estrofe de um dos poemas de Charlie Chaplin ao meu vê amarra bem o momento da apresentação das imagens construídas com retalho e a narrativa de vida trazida por cada estudante. Pois fica claro o quanto precisamos retornar as nossas fontes memoriais para construir e também re-significar não só o que galgamos ser, mas também a vida como um todo, pois não somos seres acabados, estamos em constante estágio de aprendizado e crescimento.

Geisa Gomes disse...

As férias foram ótimas.. mas o retorno das atividades acadêmicas me deixa ainda mais feliz, mais viva, mais ativa!!
E o semestre iniciou com o "pé direito" com essa aula da disciplina de estágio, com a docente Socorro Cabral.
O dispositivo utilizado foi significativo para esse novo momento que se inicia. Para fazermos do estágio um momento de "ação-reflexão-ação", de aprendizagem e acima de tudo pesquisa afim de contribuir com a educação, com o contexto que seremos inseridos.

Anônimo disse...

Recordar sempre é bom, nos leva a reviver momentos marcantes de nossas vidas e compreender nosso processo de formação humana. Falar da nossa infância, da escola, dos amigos, da educação básica e principalmente da chegada e caminha na Universidade é gratificante e desafiador, pois percebemos o quanto a educação colabora para nosso crescimento. Lembro que nas primeiras aulas do curso de pedagogia os professores falavam do poder de transformação da universidade em nossas vidas e na profissão. Confesso que passei por momentos de incerteza durante os primeiros semestres do curso, mas hoje vislumbro diversas possibilidades e caminhos para ser na profissão, mesmo sabendo da complexidade que envolve a educação e dos desafios que são impostos a todo momento para nós professores, acredito no trabalho coletivo e em parceira que vise a transformação do cenário educacional do país.

Thiana disse...

Recordar sempre é bom, nos leva a reviver momentos marcantes de nossas vidas e compreender nosso processo de formação humana. Falar da nossa infância, da escola, dos amigos, da educação básica e principalmente da chegada e caminha na Universidade é gratificante e desafiador, pois percebemos o quanto a educação colabora para nosso crescimento. Lembro que nas primeiras aulas do curso de pedagogia os professores falavam do poder de transformação da universidade em nossas vidas e na profissão. Confesso que passei por momentos de incerteza durante os primeiros semestres do curso, mas hoje vislumbro diversas possibilidades e caminhos para ser na profissão, mesmo sabendo da complexidade que envolve a educação e dos desafios que são impostos a todo momento para nós professores, acredito no trabalho coletivo e em parceira que vise a transformação do cenário educacional do país.

Socorro Cabral - socorroleti@hotmail.com disse...

Oi Thiana,

Que reflexões maduras você traz na sua fala. Destaco a questão da complexidade que nos desafia na nossa ação docente. Não dá mais para pendsarmos a formação de forma generalista, linear e individualista. Vamos investir num trabalho coletico e bem fundamentando.

Beijos,

Socorro Cabral - socorroleti@hotmail.com disse...

Oi Geisa,

Que bom que você gostou das nossas primenras aulas. Elas foram planejadas com muito carinho e estudo.Que bom que você compreendeu o estágio como espaço de ação- reflexão e ação. Esse é o nosso desafio ... refletir e fazer proposições.

Beijos,